domingo, 22 de abril de 2007

Pós-ressaca e outras coisinhas

Esse final de semana foi agitado e eu me senti uma gazela, de tanto que saltitei de lugar em lugar. Ontem ainda tinha um aniversário de uma amiga querida para ir na Vila Madalena, mas não consegui chegar. Ainda por um engano ridículo fiz todos ficarem tomando cerveja, comendo pizza e aguardando o início do Saturday Night Live só porque eu queria ver Björk e Scarlett Johansson, mas essa edição rolou ontem nos EUA, ou seja, vai demorar um pouco para chegar aqui. Aí é que começaram a me questionar, me joguei na web e vi que eu tinha cometido um lapso.

A festa de lançamento do curta "radicais livres/os" foi um sucesso. Muita gente interessante e um público bem atípico ao Vegas ou a qualquer casa noturna. Toquei com o David até uma meia-noite, beberiquei e me joguei na Alelux no Glória, que estava insuportavelmente lotada. Precisei de muita champagne para me manter na pista, mas o cansaço me levou pra casa muito antes do imaginado.

Ontem, depois do meu lapso com a espera pelo que não iria rolar, fomos para a Clash ver Lady Miss Kier. Casa lotada e o set anos 90 do Magal foi o melhor da noite. A Lady Miss Kier "fez" um set rebolante, anos 90 também e todas as músicas tinham no máximo um minuto. O melhor foi ouvir uma virada e ela de costas para as pickups! hehehehehe... arriei também cedo, mas ainda me arrastei um pouco pela madrugada para apagar em casa por volta das 7h.

E hoje rola REBEL!, a estréia da versão "No Hay Banda" e acho que será divertida, mas confesso que estou precisando de pique, então não sei se aguento ir muito longe.

By the way, tem um artigo na Piauí desse mês sobre balada. A casa escolhida foi a Pacha e de quebra o Royal, ou seja, outro tipo de balada, outro tipo de público, outro tipo de música... quem aguenta Felipe Venâncio tocando? Não o desmerecendo, mas.... domingo não é um bom dia para devaneios, então me lanço novamente aos meus lençois tamanha a sonolência que me abate.

3 comentários:

Celina disse...

Cheguei aqui por indicação de um amigo que está sempre a procura de dicas de festas interessantes.
Gostei da sua maneira de escrever é bem fluída, de fácil leitura, mas se o objetivo do blog é falar sobre festas, você não acha meio pedante falar da sua maratona pela noite de SP e da sua falta pique pra continuar?
E outra, já dizia a minha avó que gosto não se discute, lamenta-se, e assim como tem gente que adora a viadagem decadente do Glória, também tem muita gente que curte se jogar numa pista frequentada pelo high society.
Eu sou uma que prefiro mil vezes gastar R$70,00 pra ver gente classe A na Pacha do que gastar R$15,00 e ver travecos no Vegas.
Mas é aquela estória, gosto...
De qualquer forma parabéns pelo blog.
abs,
Celina Carpanedo

Lalai disse...

oi Celina, obrigada pelo comentário. E é, infelizmente não sou a mulher-maravilha e às vezes dou uma arriada, especialmente quando passo três dias quase de maneira ininterrupta na noite, por isso tento dosar, afinal além da noite, trabalho das 10 às 19h numa agência. Enfim... qto aos lugares, eu acho fantástico que os gostos das pessoas não são os mesmos, pois é isso que cria essa diversidade que temos na noite paulista (e ao redor do mundo), por isso de vez em quando eu saio do meu circuito e frequento outros para tomar outros ares, mas sempre teremos nossas preferências. Pelo jeito você nunca foi a uma noite minha no Glória, pois não é uma noite tipicamente gay (as noites mais gays rolam às sextas), sempre reune um publico bacana... mas sei que, por exemplo, quem curte o público da Pacha não vai gostar do público do Gloria/Vegas e vice-versa justamente porque buscam coisas diferentes. O que me incomodou na Pacha foi a falta de educação das pessoas e o atendimento ruim para uma casa que é cara, o que já não aconteceu nas vezes que estive ao Royal.

Beijos e seja sempre bem-vinda por aqui... :-)

Lalai disse...

ops, corrigindo:

noite paulistana.